Segunda, 27 de Setembro de 2021
(92) 992559421
Anúncio
Brasil e mundo Congresso

Câmara conclui reforma eleitoral; Senado resiste em aprovar coligações

Deputados concluem votação que autoriza o retorno das alianças partidárias, abolidas em 2017. Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, já sinalizou que a proposta enfrentará dificuldades, pois significa um retrocesso

18/08/2021 00h29
113
Por: Redação Fonte: Correio Brasiliense
(crédito: Najara Araujo/Câmara dos Deputados)
(crédito: Najara Araujo/Câmara dos Deputados)

Por 347 votos a 135, o plenário da Câmara aprovou, em segundo turno, nesta terça-feira (17/8), a PEC 125/11, que trata da reforma eleitoral. Entre outros pontos, a proposta traz de volta as coligações para as campanhas a cargos proporcionais — vereadores, deputados estaduais, distritais e federais.

O texto seguirá para o Senado, onde deve enfrentar grandes dificuldades para ser aprovado, como já indicou o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). O parlamentar considera as coligações um "retrocesso" e já adiantou que a proposta dificilmente será aprovada.

Essas alianças partidárias haviam sido extintas pelo Congresso em 2017. Os críticos afirmam que elas favorecem os chamados partidos de aluguel e a troca de apoio entre candidatos sem qualquer afinidade ideológica.

Na votação da PEC em primeiro turno, 15 partidos fecharam um acordo que previa a volta das coligações em troca da retirada do texto do ponto que implantava o chamado "distritão" - uma modalidade de eleição que privilegia os candidatos mais votados, sem levar em conta os votos recebidos pelos partidos, como acontece no atual sistema proporcional. Apenas 7 legendas não aderiram ao acordo - PSD, Psol, Novo, Cidadania, PV, Rede e PDT.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), pediu a Rodrigo Pacheco que a PEC seja pautada no Senado assim que for recebida, o que não deve acontecer. A própria relatora da reforma eleitoral, deputada Renata Abreu (Podemos-SP), já admitiu que a volta das coligações proporcionais tem grande possibilidade de ser derrubada pelos senadores.

As duas maiores bancadas do Senado, o MDB e o PSD, ao lado do DEM e do Cidadania, são contrárias ao retorno das coligações, consideradas por eles um estímulo à fragmentação partidária. Sem o apoio dessas siglas, será muito difícil para a PEC avançar.

Mulheres

A PEC da Reforma Eleitoral texto também inclui um dispositivo que prevê a contagem em dobro dos votos dados pelos eleitores a mulheres e a pessoas negras. Esse mecanismo serve apenas para o cálculo das verbas que cada partido receberá do Fundo Eleitoral, e não para efeito da eleição da candidata ou candidato.

Outra mudança importante aprovada pelos deputados é sobre a data de posse de presidentes e governadores. A partir das eleições de 2026, mudará de 1º de janeiro para 5 e 6 do mesmo mês, respectivamente.

Durante a sessão, os deputados aprovaram, inicialmente, o texto-base da reforma eleitoral. Na sequência, passaram a analisar destaques que pediam a retirada de pontos da proposta.

Um dos destaques, apresentado pelo Cidadania, era contra a manutenção das coligações partidárias no texto. O recurso foi rejeitado por 340 votos a 139.

Por: Jorge Vasconcellos

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Anúncio
-
Atualizado às 21h00 - Fonte: Climatempo
°

Mín. 24° Máx. 34°

° Sensação
km/h Vento
% Umidade do ar
83% (8mm) Chance de chuva
Amanhã (28/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 24° Máx. 34°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Quarta (29/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 25° Máx. 35°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias